Este espaço é para si! Envie-nos a sua notícia: mscmail.fotorali@gmail.com

sexta-feira, 29 de setembro de 2017

CRÓNICA: A VITÓRIA!!

2017 tem sido um ano intenso, de intensos ralis, de intensos stresses, de intensa emotividade... E eis que chegamos ao Rali de Vouzela, aquele que é (provavelmente) o último rali da nossa temporada desportiva de 2017.

Se no ano passado este rali foi um ...(lá está) intenso calvário, este ano alinhamos na prova com a vontade de fazer melhor (não seria difícil), com a vontade de saborear uma prova bastante agradável, bem estruturada a levar à interacção de concorrentes e público, e de desfrutar dos belíssimos troços desenhados na região do Dão, super desafiantes, super divertidos e com paisagens de cortar a respiração (Estou à vontade para falar das paisagens visto que no ano passado os problemas que tivemos obrigaram-nos a um ritmo tão lento que o melhor mesmo foi poder apreciar as vistas!).
Do ponto de vista desportivo, este que foi o ultimo rali do Troféu CIN dava-nos a oportunidade de conquistar a vitória entre os 4x4, mas a motivação era a de tentar ir o mais longe possível na classificação geral, contando para isso com o Mitsubishi Lancer Evo já de garganta afinada e sem a rouquidão que apresentou em Viana.
Mas desengane-se quem pensa que é fácil. Logo na Super Especial nocturna que abriu o rali, a segunda das duas passagens pelo curto traçado mostrou que é bastante simples comprometer um resultado. Um pião numa zona apertada, mas que rapidamente foi resolvido pelo meu competente piloto, deixou-nos em sentido para mantermos a concentração bem acima dos 150%... ou mais!

O segundo e "verdadeiro" dia de competição, composto por cinco classificativas apresentava-se excelente para a prática de ralis. Aquele início na Sra do Castelo, rodeado de pessoas, solarengo e com verdejantes paisagens eram o acompanhamento perfeito para atacar o primeiro troço do dia... só que não! Uma paragem forçada devido a um pequeno azar sofrido por outro concorrente trazia-nos à memoria uma vez mais a palavra de ordem: concentração. E foi com muita concentração que, após alguma espera, entramos na classificativa. Talvez com uma boa dose de prudência, mas o essencial foi cumprir os pouco mais de 5 quilómetros sem cometer erros.
Seguiu-se o extraordinário troço de Penoita. E abro aqui um parênteses para realçar este troço e a zona por onde está desenhado. Quem não conhecer a Serra da Penoita tem aqui uma boa sugestão para um passeio porque vale bem cada metro, cada curva de estrada, cada vista sobre as vistas! É delicioso para os nossos olhos!
Este troço, com quase 9 quilómetros, era uma simbiose perfeita entre rapidez e técnica, um troço muito fluido e sem grandes quebras de ritmo, onde os mais audaciosos podem fazer a diferença. Com grandes cortes nas trajectórias, como é fácil adivinhar, o piso de alcatrão dá lugar muitas vezes a terra e gravilha solta. E como é fácil de adivinhar, estes ingredientes são bons para o espectáculo e para arruinar uma prova. Mas aqui o nosso Evo mostrou-nos para o que foi feito e não vacilava quando a trajectória das curvas implicava passar por onde o bom senso não recomendava.
Curva após curva, a confiança aumentava e o ritmo também, mas... é preciso nunca perder a concentração! E subitamente, numa direita feita sobre areia (muita areia), vemos a traseira passar-nos à frente enquanto o relógio nos faz uma careta de escárnio. Concentração, para onde foste?
Recompostos daquela "cena circense", lá prosseguimos marcha em bom ritmo terminando a secção matinal bem despertos e motivados.
Durante a tarde, a repetição dos 2 troços (o primeiro com mais duas passagens e o lindíssimo "Penoita" com uma apenas) fez-se em ritmo de ataque. Precisamos melhorar! E precisamos de sentir que estamos a melhorar! Vamos ao forcing de andamento para ver no que dá...
Metro após metro, curva após curva, o Evo lá vai poliçando, rugindo, queimando pneu sempre em ritmo muito obediente às indicações dadas pelo "comandante do leme" com muita mestria e talento, enquanto eu no meu lugar vou "cantando" confiante aquela linguagem tão esquisita, tão incompreensível, tão maluca e tão alucinante mas que só desse jeito faz para nós todo sentido.
Terminadas as segundas passagens por "Sra do Castelo" e "Penoita", a sensação de evolução marcava agora presença com a tabela de tempos a indicar que nos posicionamos em linha ascendente. É bom!! É muito bom, principalmente por termos a noção que não vimos a correr riscos e que nos estamos a divertir imenso. Mas falta um troço e há que levar o navio a bom porto.
A derradeira passagem por "Sra do Castelo" dá continuidade à postura de ataque e de concentração. São 5 quilómetros e pouco que nos separam agora da meta e de um pouco de glória. Estamos às portas do pódio na geral, somos líderes na classificação do Troféu CIN e da Classe, portanto... só temos de cumprir!
E cumprimos! A ultima classificativa do rali não trouxe dissabores nem surpresas. Trouxe alegria, satisfação e sensação de dever cumprido. Algum alívio também porque quer se queira, quer não, "lá dentro" há sempre tensão e nervosismo. Mas agora já está, terminamos! Restam as formalidade do costume: carro em Parque Fechado, verificações finais e eis que chega o nosso pequeno momento de glória: subida ao degrau mais alto do pódio para celebrar com banho de champanhe (gelado) a nossa primeira vitória! A sensação é fantástica, não a sensação de ardência nos olhos pelo espumante que jorrou vindo sei lá bem de onde, mas sim a sensação da vitória depois de um ano inteiro de luta, de altos e baixos, de sacrifícios... valeu a pena... Ganhamos no Troféu CIN, ganhamos a classe, terminamos no 4º posto da geral e confirmamos o título nos 4x4 do Troféu CIN.
E viver estes momentos é também uma sensação fantástica, a qual só posso estar plenamente grato ao mentor deste projecto, motor, cérebro, condutor e sobretudo amigo, Cláudio Ornelas, o meu bravo piloto. Claro está que não posso esquecer todos aqueles incensáveis amigos que têm sempre aquela palavra de incentivo e de apoio para nos dar força. Um muito obrigado a todos eles também. E obrigado publico dos ralis porque são a alma deste maravilhoso desporto, paixão, vicio... Por ultimo mas não em ultimo, o meu agradecimento em nome da Encontro Team aos nossos patrocinadores. Um bem haja por tornarem estes sonho em realidade!
Se podia ser melhor..? Podia, mas querem saber..? Não importa, terminar a época desta forma é a melhor das recompensas!

Sem comentários:

Enviar um comentário